Decoração de Interiores com Forro de Gesso

Aliado na arquitetura de interiores o gesso esta  presente em forros, paredes, acabamentos e onde mais a criatividade permitir.

rocher-drywall-forro-mineral (5)Com função estética e técnica, o forro de gesso permite, entre outras coisas, embutir tubulações, fiações, e criar sistemas luminotécnicos.

A decoração  deve estar ciente de todos os posicionamentos das luminárias, para que as barras de sustentação do gesso possam ser posicionadas de modo que não atrapalhe os embutidas.

A iluminação indireta é permitida com a sanca invertida ou sanca em J, que pode ser feita com diferentes tipos de lâmpadas, inclusive LEDs, ou intercalar essas lâmpadas.

rocher-drywall-forro-mineral (2)Existem vários tipos de sanca e rasgos, usando a criatividade eles podem ser feitos no teto, nas paredes, em nichos e próximos ao chão.

O drywall e a placa de gesso são tipos de gesso. O gesseiro é quem vai indicar qual a melhor opção de material a ser utilizado. A placa de gesso é bem mais em conta do que o drywall, mas dá muito mais trabalho e pode levar mais tempo para instalar, logo todo o contexto do projeto deve ser analisado antes da decisão, indiferente se vai ser instalado no teto ou na parede. A Rocher Drywall te auxilia na melhor opção para seu projeto. Consulte-nos!

A Rocher Santa Sanca dá a consultoria do projeto de gesso de acordo com o perfil do cliente.

rocher-drywall-forro-mineral (4)

rocher-drywall-forro-mineral (3)

 

 

 

O que é Drywall?

blog-rocher-drywallO que é drywall? A expressão originada da língua inglesa que significa “muro seco” ou “parede seca”, é uma técnica de revestimento que substitui paredes e forros construídos em alvenaria.

Bastante popular em países da Europa, nos Estados Unidos, no Japão, entre outros, a tecnologia do material consiste em placas pré-moldadas, confeccionada por chapas compostas de camadas de enredados de aço galvanizado e de gesso.

No Brasil, apesar da popularidade do sistema em outros países que utilizam o drywall desde a década de 1970, a técnica começou a ser mais conhecida, difundida e aplicada somente em meados da década de 1990, em um primeiro momento apenas mediante importação do produto e, posteriormente, com a instalação de fábricas multinacionais no país.

O resultado deste método é uma estrutura resistente, porém leve, lisa, de fácil manuseio e instalação. Para efeitos de comparação, uma parede construída com alvenaria convencional pesa, em média, 150 kg aproximadamente. Já utilizando o drywall, a mesma parede pesaria cerca de 30 kg.

Mas os painéis de drywall não são apenas placas, como as divisórias comuns; a estrutura proporciona a instalação entre vigas e permite a passagem, em seu interior, dos sistemas hidráulicos e elétricos, como são feitos em paredes e tetos de alvenaria convencionais.

Além dessa aplicação, a técnica é muito usada como uma solução simples em reformas e outros projetos arquitetônicos de interiores, substituindo, perfeitamente, a construção dessas estruturas utilizando tijolos, concreto e demais materiais necessários.

A tecnologia é totalmente desenvolvida por empresas estrangeiras, inclusive no país. Mas, para que seja utilizada no Brasil, independente da origem de fabricação, o drywall precisa estar regularizado de acordo com algumas normas específicas para o segmento, estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

No país existem, ainda, entidades como a Associação Brasileira de Fabricantes de Chapas para Drywall e a Associação Drywall, que estão disponíveis para sanar dúvidas de profissionais e consumidores.

Portanto, antes de adquirir o produto é necessário obter mais informações sobre a procedência do drywall, bem como exigir certificação junto aos órgãos competentes.

Sem esquecer, ainda, da importância de contratar os serviços de profissionais que dominem as técnicas de manuseio e instalação da tecnologia. Isso vale tanto para engenheiro civis, arquitetos e pessoal para construção, como mestres de obras e pedreiros.

Para se ter uma idéia, da praticidade e diversidade de utilização do Drywall, imaginemos os móveis de uma residência ou escritório, quando trocamos de lugar, para propiciar um melhor aproveitamento de espaços, ou ainda quando estamos “cansados” daquele visual.

Com certeza o Drywall permite sua imaginação ir além, pois adequa movimentações de divisões de um ambiente, para um aproveitamento melhor de espaço ganhando em mais área útil, por ter espessuras menores que tijolos ou blocos. Tudo sem ocasionar as “sujeiras” (entulho) e morosidades de uma obra convencional constituída de tijolos ou blocos.

Enfim, os sistemas drywall são tendência no que diz respeito à inovação em construções civis. Pode ainda haver preconceitos em utilizar a tecnologia – por serem mais leves que as paredes de alvenaria causam a impressão de fragilidade.

Mas informações como estas descritas nesse site são importantíssimas para desmistificar a técnica e mostrar o quanto os sistemas drywall são sinônimo de modernidade, praticidade e durabilidade.

– Chapa Drywall Gypsum “ST” Standard p/ áreas internas secas

– Chapa Drywall Gypsum “RU” Resistente á umidade p/ áreas internas molháveis

– Chapa Drywall Gypsum “RF” Resistente ao fogo – p/ áreas que necessitam maior resistência ao fogo

Instalação de drywall em Belo Horizonte-MG é com a Rocher Drywall: consulte preços e prazos de instalação.

Fixação no Drywall

Armários de cozinha repletos de pratos, copos e outros utensílios, suportes para TV ou microondas e outras cargas com peso equivalente podem ser fixadas normalmente em paredes drywall. Os cuidados fundamentais para que essa fixação não cause problemas é instalar no interior da parede um reforço interno, que pode ser de madeira tratada ou chapa de aço galvanizado, e utilizar, nas distâncias recomendadas, buchas específicas para drywall. O processo de fixação é mais simples, rápido e preciso do que ocorre com paredes de alvenaria tradicional.

parede-em-drywall-bhNo que diz respeito aos reforços, a maioria das construtoras de imóveis residenciais já os entrega com paredes reforçadas internamente, em especial nos ambientes que normalmente recebem armários como cozinhas e áreas de serviço. Porém, se a parede não tiver reforços recomenda-se que esse serviço seja executado por um profissional habilitado, que faça parte da rede de instaladores ou montadores treinados e credenciados pelas empresas fabricantes de chapas para drywall.

Finalmente, para a instalação de cargas leves, como armários, espelhos e porta-toalhas, entre outros, o procedimento é idêntico ao de fixação de objetos em qualquer parede drywall, bastanto utilizar buchas e parafusos apropriados.

O “Manual de Fixação, Manutenção e Acabamento”, lançado pela Associação Drywall, foi criado para orientar o consumidor final e os profissionais das áreas de instalações hidráulicas, elétricas, telefonia, marcenaria, mobiliário, entre outras, sobre como executar serviços em paredes, revestimentos e forros em drywall. A publicação foi elaborada em linguagem simples e direta, enriquecida por fotos das diferentes operações.

Gesso: um Material Ecológico

gesso-material-ecologico-instalacao-em-bhO gesso é um material ecológico em todas as suas fases de aproveitamento, desde a mineração da gipsita, sua matéria-prima, até a aplicação final dos sistemas de construção a seco baseados em chapas de gesso. Nestes, em particular, tem a capacidade de tornar os ambientes em que é utilizado mais agradáveis e confortáveis, em razão de suas propriedades físicas e biológicas:

•atua como regulador do clima, mantendo o grau de umidade do ambiente em equilíbrio;
•é um isolante térmico e acústico natural;
•não é inflamável, proporcionando proteção contra o fogo;
•é inodoro, livre de gases tóxicos;
•não é agressivo à pele, daí ser aprovado para uso biológico;
•tem baixa densidade e alta consistência;
•é eletricamente neutro;
•não forma fibras nem poeira;

O minério de gesso (gipsita), formando entre 100 e 200 milhões de anos atrás, ocorre em grande parte da superfície terrestre.

Sua extração, diversamente da de outras matérias-primas, não gera resíduos tóxicos e requer pouca interferência na superfície, em geral de duração relativamente curta.

Na Europa, onde a densidade populacional mais elevada requer um cuidado especial com a preservação dos solos aráveis ou por reservas florestais, os especialistas em meio ambiente das empresas de mineração têm tido pleno êxito na recuperação do equilíbrio das áreas mineradas, dando-lhes condições de reconstituição da flora e da fauna ou de reaproveitamento agrícola.

Da mesma forma, as fábricas de chapas de gesso e outros derivados da gipsita são instalações limpas, que somente liberam na atmosfera vapor d’água.

Tipos de Forros

O forro drywall é constituído por chapas de gesso para drywall parafusadas em estruturas formadas por perfis de aço galvanizado ou por peças metálicas.

Assim como nas paredes, a forma de montagem e os componentes utilizados permitem configurar o forro para as exigências ou necessidades de cada ambiente, podendo-se variar o número de chapas, as dimensões e a posição da estrutura e ainda o uso ou não de elementos de isolamento térmico ou acústico no seu interior.

forro-drywall-instalacao-em-belo-horizonteExistem quatro tipos de forros drywall: estruturado, perfurado, aramado e removível. Os três primeiros são fixos e proporcionam superfícies monolíticas, sendo executados com chapas com bordas longitudinais rebaixadas, que devem receber tratamento de juntas para uniformização da superfície. O último é executado com chapas com bordas quadradas ou tegulares.

Estruturado
É formado pelo parafusamento de uma ou mais chapas de gesso para drywall (com 1.200 mm de largura) em estruturas de aço galvanizado. A estrutura é suspensa por meio de pendurais. O pendural de uso mais freqüente é composto por um tirante (que é fixado na laje superior) e um suporte nivelador. Há também pendurais compostos de perfis ou fitas metálicas.
O perímetro do forro pode ser executado com cantoneira, no caso de forro estanque, ou tabica, no caso de forro dilatado. Também é possível executar outros detalhes de dilatação perimetral ou no meio do pano do forro.

Perfurado
É uma variante do forro estruturado, porém com o uso de chapas perfuradas, que auxiliam na absorção sonora, que pode ser acentuada com o uso de lã mineral ou de vidro no entreforro (plenum do forro).

Aramado
É formado pela justaposição de chapas de gesso com 600 mm de largura unidas por meio de junções H. É suspenso por arame de aço galvanizado no 18 (1,24 mm de diâmetro). A estruturação é completada com nervuras de chapas de gesso. O perímetro do forro aramado pode ser estanque ou dilatado.

Removível
Formado pela sobreposição de chapas de gesso em perfis do tipo T. A dimensão das chapas varia de acordo com a modulação da estrutura. O forro é composto por uma só camada de chapas, que podem ser removidas para acesso às instalações do plenum.

Para a correta especificação, consultar as Tabelas de Desempenho de Forros Drywall.

Em caso de dúvida, clique aqui para enviar sua consulta à Comissão Técnica da Associação Drywall.